Juventude concectad@: interação, produção e compartilhamento de conteúdos nas tramas do Facebook

Em andamento
Orientação: Lynn Alves
Doutoranda: Janaína dos Reis Rosado

Com o advento e difusão das tecnologias digitais, a humanidade atravessa, na contemporaneidade, um momento de significativas transformações. A internet vem alterando as formas como as pessoas se relacionam, fazem compras, consultam o médico, ou estudam. É cada vez mais comum conversarmos com amigos nas redes sociais, fazermos compras online, ou mesmo participarmos de cursos na modalidade da Educação à Distância.  A cultura inaugurada a partir da expansão do ciberespaço ficou conhecida por cibercultura (Lèvy, 1999). Nesse contexto ressaltamos as redes sociais na internet que é formada por atores e suas conexões, constituindo em “[…]uma metáfora para observar os padrões de conexão de um grupo social, a partir das conexões estabelecidas entre os diversos atores.” (RECUERO, 2009). Ao passo que a vida cotiada é levada para a superfície das telas dos computadores e que se engendra na rede tecnológica das relações, percebe-se o nascer de novos modos de ser e de viver do sujeito. Neste contexto, as redes sociais na internet apresentam importante potencial de interação social e o olhar do outro torna-se condição imprescindível para atender à necessidade das pessoas de serem observadas, percebidas e de serem aprovadas. Aí está centrada a lógica do “apareSer” (DAL BELLO, 2011). Dentre as redes sociais, destacamos o Facebook, rede social, que promete atender à necessidade de comunicação, exibição, visibilidade, dos sujeitos conectados na contemporaneidade. Uma pesquisa feita pela Conecta/IBOPE mostra que  o jovem conectado brasileiro possui uma média de sete perfis em redes sociais. O Facebook configura com uma das mais utilizadas, chegando a 96% dos jovens pesquisados. Esta rede social está presente em 88% dos aparelhos de celular dos entrevistados. Diante do exposto é mister refletir sobre este espaço concebido, percebido e vivido, que é o Facebook, como locus contemporâneo de protagonismo da juventude conectada, suas produções e compartilhamentos de conteúdos. A questão central desta pesquisa é analisar como a juventude conectada protagoniza ações, produz e compartilha conteúdos no facebook. Este problema possibilitou-nos pensar perguntas norteadoras: quais as interações promovidas pela juventude conectada no facebook? Como acontece o protagonismo desses jovens que vivem conectados always on? Como emergem os conteúdos pessoais e quais são eles? O que eles apontam? O que eles representam? Acreditarmos que esta pesquisa consiste em uma busca detalhada de um fenômeno social, em um lugar específico, e desta forma a abordagem qualitativa é indicada para subsidiar esta investigação, pois evidencia a importância de entender e analisar dados sociais coletados no campo observado, fazendo inferências sobre os resultados obtidos. Considerando-se o ciberespaço como um espaço sócio-cultural onde o Facebook se inscreve, a abordagem etnográfica virtual adequa-se às necessidades desta pesquisa que pretende explorar o fenômeno sob vários ângulos, tentando compreender como ele é vivenciado e para que existe.